Salvaguardamos e valorizamos o património documental da Região.

Plano de classificação

Na Quinta Monteiro

Ações disponíveis

Ações disponíveis ao leitor

Consultar no telemóvel

Código QR do registo

Partilhar

 

Na Quinta Monteiro

Detalhes do registo

Informação não tratada arquivisticamente.

Identificador

776179

Nível de descrição

Série   Série

Código de referência

PT/ABM/JAS/P-A/003

Tipo de título

Atribuído

Título

Na Quinta Monteiro

Datas descritivas

Entre a década de 1910 e a década de 1930

Dimensão

129 negativos de vidro simples

Técnica de captação

Âmbito e conteúdo

Contém, maioritariamente, retratos dos filhos de Tristão Pedro de Bettencourt da Câmara e D. Eugénia Isabel de Sousa no pátio da casa e no campo de croquet que existia na quinta.

Idioma e escrita

Português

Unidades de descrição relacionadas

Arquivo Regional e Biblioteca Pública da Madeira, 3.º Cartório Notarial do Funchal - 2.º Ofício, Livros de notas para escrituras diversas, liv. 1373, f. 77-78 (1897-12-04).Arquivo Regional e Biblioteca Pública da Madeira, 3.º Cartório Notarial do Funchal - 2.º Ofício, Livros de notas para escrituras diversas, liv. 1401, f. 57-58 v.º (1903-04-17).Arquivo Regional e Biblioteca Pública da Madeira, Juízo de Direito da Comarca do Funchal, Autos cíveis de inventário obrigatório, cx. 1976-5 (1905-1906).Arquivo Regional e Biblioteca Pública da Madeira, Juízo de Direito da Comarca do Funchal, Autos cíveis de inventário obrigatório, cx. 1038-10 (1946-1955).

Notas

Joaquim Augusto de Sousa e sua mulher D. Eugénia Maria de Sousa compraram a propriedade localizada na Freguesia do Monte, cuja escritura foi lavrada a 4 de dezembro de 1897, a D. Josefina Henriqueta Lhera Monteiro. Em abril de 1903, o casal arrenda a propriedade a Alfred Edward Reid pelo período de 12 anos com efeitos a partir do dia 1 de dezembro de 1903, que aqui abriu o "Reid's Mount Park Hotel".Com a morte de Joaquim Augusto de Sousa em 1905, a propriedade fica para a sua esposa, D. Eugénia Maria de Sousa, conforme o mapa de partilha de bens incluído nos autos cíveis de inventário obrigatório. A família continuou a passar férias nesta propriedade, nomeadamente numa casa contígua à casa principal da quinta e com entrada independente para o caminho do Conde da Calçada (atual caminho das Babosas).Com a morte da viúva de Joaquim Augusto de Sousa em 1943, terá sido a filha mais velha a herdar a propriedade, uma vez que consta na descrição de bens imóveis incluída nos autos cíveis de inventário obrigatório por morte de D. Eugénia Isabel de Sousa em 1946.