We preserve and appraise Madeira’s Documented Cultural Heritage.

Escola Médico-Cirúrgica do Funchal

Available actions

Reader available actions

 

Escola Médico-Cirúrgica do Funchal

Description details

Document not available to perform requests.

Description level

Fonds   Fonds

Reference code

PT/ABM/EMCFUN

Title type

Atribuído

Dates

1802-10  to  1945-03-28 

Prominent dates

1837/1909

Dimension

20 cx. (31 liv.; 23 cap.; 9 pt.; 7 mç.)

Support

Holding entity

Arquivo Regional e Biblioteca Pública da Madeira

Producer

Escola Médico-Cirúrgica do Funchal.

Biography or history

A Escola Médico-Cirúrgica do Funchal foi criada na sequência do Decreto de 29 de dezembro de 1836, o qual determinava que em cada uma das capitais dos distritos ultramarinos fosse criada uma escola médico-cirúrgica.A Comissão Administrativa da Santa Casa da Misericórdia do Funchal instalou a Escola no Hospital, no espaço que foi ocupado pela antiga enfermaria dos súbditos ingleses, tendo iniciado a sua atividade em outubro de 1837.Nos seus sessenta e três anos de existência, este estabelecimento de ensino formou 240 médicos, tendo sido extinto pelo Decreto de 11 de novembro de 1910.Anteriormente à instalação da Escola Médico-Cirúrgica do Funchal, foram várias as tentativas de criar condições de ensino aos praticantes do Hospital.Na documentação existente no arquivo da Escola, constata-se que entre 1816 e 1827 vários foram os alunos que se matricularam no "Curso de Cirurgião", que se pensa pertencer às cadeiras de Medicina criadas antes do aparecimento da EMCFUN em 1836.Numa exposição feita por Luís Henriques, Doutor em Medicina, médico formado pela Universidade de Edimburgo e cirurgião no Hospital, sem data mas que julgamos ser anterior a 1821, quando consultado pela Mesa da Santa Casa sobre o funcionamento do Hospital, aponta com frontalidade de que modo deveria ser feito o seu melhoramento e reorganização propondo, para o efeito, despedir alguns médicos, economizar nos ordenados, evitar dietas de luxo e receituário caro, extinguir os cargos de enfermeiro-mor e enfermeiros, dando prevalência às mulheres que "são melhores, têm menos salários, são mais sujeitas, cuidam da roupa e são mais jeitosas para cuidar dos doentes". Acrescenta ainda: "dar a dieta mais barata possível e só o que é indispensavelmente necessário: nada de galinhas; em nenhum Hospital vi dar galinhas, em Inglaterra, o Hospital não é para engordar gente, é para curar as doenças que ela sofre. Os facultativos devem ser generosos com o que é seu e não com os bens dos pobres.".Foi devido às insistentes solicitações das autoridades locais da região, da Mesa Gerente da Misericórdia do Funchal e dos médicos do Hospital que o governo central autorizou a criação da Escola no Funchal. Do Decreto de 29 de dezembro de 1836 destacam-se as seguintes disposições:Criação de duas cadeiras:1.ª cadeira - Anatomia, Fisiologia, Operações Cirúrgicas e Arte Obstetrícia;2.ª cadeira: Patologia, Matéria Médica e Terapêutica.A 1.ª cadeira seria regida pelo Cirurgião Principal do Hospital que ensinaria Clínica Cirúrgica e teria um Ajudante, o Demonstrador e Chefe da Sala das Dissecações, que prepararia os trabalhos anatómicos.A 2.ª cadeira seria regida pelo Médico Principal do Hospital, que ensinaria Clínica Médica.Os estudantes iriam aprender a Farmácia na Botica do Hospital, sob direção do Boticário.A data da instalação da Escola Médico-Cirúrgica do Funchal deu-se apenas a 2 de maio de 1837, com a primeira sessão do Conselho Escolar, cinco meses após a sua criação. A 3 de setembro de 1838, o pessoal docente foi nomeado, sendo composto pelos médicos António da Luz Pita (médico-principal), Luís Henriques (cirurgião-principal) e pelo boticário Nicandro Joaquim de Azevedo do Hospital da Santa Casa. A sessão solene data de 15 de outubro de 1838.A Escola passou a funcionar numa das dependências do Hospital de Santa Isabel até o ano de 1859.Foram criados dois cursos, um de 3 anos e outro de 4.Em outubro de 1837 iniciou-se o curso de 3 anos com as seguintes cadeiras:1.º ano: Anatomia e Fisiologia;2.º ano: Patologia, Matéria médica e Farmácia;3.º ano: Clínica Interna e Externa, Operações Cirúrgicas e Arte Obstetrícia.Entre 1839 e 1910 decorreu o curso de 4 anos:1.º ano - Anatomia;2.º ano - Fisiologia, Matéria Médica e Farmácia;3.º ano - Patologia, Terapêutica e Operações Cirúrgicas;4.º ano - Arte Obstetrícia, Clínica Médica e Clínica Cirúrgica.Pelo mesmo decreto de 29 de dezembro de 1836, também se estabeleceu o ensino da Arte Obstetrícia no último ano do curso e obrigatório a todos os alunos. Em 1839 cria-se o curso especial de parteiras, com a duração de dois anos. Este curso teve grande adesão de senhoras, uma vez que as câmaras municipais da Madeira e Porto Santo disponibilizaram um subsídio para a sua subsistência no Funchal, implementando prémios pecuniários para as melhores alunas. Em novembro de 1910 é extinta a Escola Médico-Cirúrgica do Funchal.

Custodial history

Incorporação no Arquivo Regional da Madeira em 21 de setembro de 1933, sendo o fundo documental procedente da Inspeção-Geral das Bibliotecas e Arquivos de Lisboa, para onde o Provedor da Santa Casa da Misericórdia remetera a documentação.

Acquisition information

Documentação incorporada no antigo Arquivo Distrital do Funchal em 1933-09-21.

Scope and content

O fundo da Escola Médico-Cirúrgica do Funchal é composto por 6 secções: A - "Organização e Administração" na qual estão incluídas as Atas das Sessões do Conselho Escolar e uma exposição feita pelo médico Luís Henriques, em resposta à Mesa da Santa Casa da Misericórdia do Funchal, propondo medidas para a reorganização e o melhoramento do Hospital anexo à referida instituição.A secção B - "Expediente" - conta com correspondência recebida e expedida com o Governo Civil do Funchal, Ministério do Reino, a Direção-Geral de Instrução Públia, o Ministério da Fazenda, câmaras municipais, professores e farmacêuticos da Escola, a Santa Casa da Misericórdia do Funchal e ainda registo de correspondência recebida e expedida. A secção C - "Gestão de Recursos Humanos" inclui os concursos e nomeações de um professor e de um boticário, registo de funcionários, registo de faltas de professores e relação de alunos que abriram e fecharam matrícula. A secção D - "Gestão Financeira e Patrimonial" - é composta por registo de receitas e despesas, inventários de bens móveis, de utensílios e roupas e bibliográfico.A secção E - "Gestão Académica e Pedagógica" - está dividida em duas subsecções e é, porventura, a secção mais extensa e interessante deste arquivo. A subsecção A - "Corpo Docente" - contém observações clínicas e dissertações sobre doenças (fratura na perna, artérias, "eczema" e sobre o estado de saúde de doentes internados no Hospital), registo de operações cirúrgicas e registo de visitas de médicos a aulas. Na subsecção B - "Alunos" - destacam-se, grosso modo, séries como processos de encerramento de matrículas de alunos habilitados, registo de matrículas de alunos em diversos cursos, observações clínicas e dissertações de alunos, registo de autos de exames, termos dos pontos e registo de diplomas conferidos pela Escola.

Arrangement

Organização funcional.

Access restrictions

Não existem restrições de acesso à documentação da Escola Médico-Cirúrgica do Funchal.

Language of the material

Português.

Other finding aid

Arquivo Regional e Biblioteca Pública da Madeira, Índice Analítico do Arquivo da Escola Médico-Cirúrgica do Funchal (idd n.º 29).

Notes

O espólio da Escola Médico-Cirúrgica compreende cinco interessantes volumes de anatomia com gravuras do corpo humano e outros exemplares que integram o catálogo bibliográfico do ABM, disponível em <http://biblioteca.abm.madeira.gov.pt/>.Registe-se ainda que a biblioteca da Escola Médico-Cirúrgica encontra-se parcialmente depositada na Biblioteca Municipal do Funchal.

Archivist notes

2017-07-03 - Paula Gonçalves - Descrição documental
Descrição elaborada por Paula Gonçalves, com base no Índice Analítico do Arquivo da Escola MédicoCirúrgica do Funchal.